Corinthians acolhe e dá empregos a imigrantes africanos

maio 21, 2019


O Educador Físico Komlan Bolouvi e a contadora Rissikatou Modoukpe, não estavam satisfeitos com a situação política e a falta de trabalho em seus países no continente africano, Togo e Benin. Tentaram a vida na Europa, mas não foram acolhidos e sofreram preconceito.
Foi então, que começaram a pesquisar países acolhedores. Através de informações de amigos que já residiam no país, decidiram que o Brasil seria o melhor local para tentarem algo, principalmente por ter a cultura semelhante ao do país de origem.


(Reprodução/Internet)

Ele veio na frente e facilitou a chegada da amiga Rissi. Hoje, os dois são funcionários do Parque São Jorge, sede administrativa do Corinthians.
Rissi, é formada em Ciências Contábeis, mas seu diploma não foi aceito no Brasil. Ganhou oportunidade na área da limpeza, através da gerente de esportes aquáticos do Corinthians. Rissi começou a estudar novamente depois que ganhou uma bolsa de estudos da Universidade Brasil, patrocinadora do Corinthians, no programa Esporte com Educação.





Atualmente o clube tem um projeto interno e a cada vitória, gol marcado, partida sem sofrer gol e rodada na liderança do Brasileirão renderam uma bolsa de estudo. No ano passado, foram mais de 50 benefícios. A doação se dirige os funcionários, trabalhadores com renda de até dois salários mínimos e atletas do futebol feminino. "Tive dificuldades psicológicas para entender que não podia trabalhar com contabilidade no Brasil, mas hoje eu aceitei. Quero me estabilizar e trazer meu filho para cá", diz a beninense.
Komlan, é formado em Educação Física, ele também se formou como Eletricista no Serviço Nacional da Indústria (Senai) e conseguiu um emprego como auxiliar de Serviços Gerais no Corinthians. Hoje, cuida da manutenção das quadras de tênis. "Ninguém pode falar mal do Corinthians perto de mim", sorri Komlan.



Tecnologia do Blogger.