Canadá revela sua primeira cédula de banco com imagem de uma mulher negra

dezembro 02, 2018


(Reprodução/Internet)


A ativista negra Viola Irene Desmond é um dos destaques do Museu Canadense dos Direitos Humanos. Empresária e negra, Viola Desmond se tornou um símbolo na luta contra a discriminação racial no Canadá depois de se recusar a se retirar da área exclusiva para brancos num cinema em 1946.


(Reprodução/Internet)



Na época a empresária foi presa e condenada a pagar uma multa por desafiar a segregação racial vigente na época. Após o episódio, Viola virou simbolo e inspirou a luta o direitos dos negros no Canadá.
Em 2010, o governo canadense decidiu conceder-lhe um perdão póstumo e em 2016, o Banco do Canadá anunciou que Desmond seria a primeira mulher a não pertencer à família real, cujo retrato apareceria em uma cédula do país.
A partir do ato de coragem de Viola, o Canadá fez uma homenagem e apresentou uma nota vertical de 10 dólares com o retrato de Viola, que além de bonita, de cor púrpura, a nota exibe essas imagens pela igualdade racial.  
A nova cédula é a primeira a prestar homenagem a uma mulher. Além da ativista negra Viola Desmond, ela destaca o Museu Canadense dos Direitos Humanos (Canadian Museum for Human Rights) no verso. Além de bonita, de cor púrpura, a nota exibe essas imagens pela igualdade racial.

Tecnologia do Blogger.